Farmácia de Manipulação

.

L-ARGININA TUDO SOBRE ESSE AMINOÁCIDO

A Arginina estimula a hipófise, aumentando a secreção do hormônio de crescimento; isso explica sua ação queimando gorduras e promovendo o desenvolvimento da massa muscular. Durante o exercício físico, através de desaminação das proteínas, o organismo produz grande quantidade de amônia. O aumento na concentração de amônia por sua vez produz um aumento de lactato sangüíneo, ocasionando a fadiga muscular. A Arginina e a Ornitina convertem a amônia em uréia (30 vezes menos tóxica) diminuindo, assim, a fadiga muscular.

Esse aminoácido pode ser produzido pelo corpo humano; no entanto, em recém-nascidos e em certos casos de saúde, a produção pode não atender as necessidades mínimas. As melhores fontes de L-Arginina são chocolate, coco, laticínios (leite e queijo), gelatina, carne, aveia, ovos, amendoim, soja, nozes, farinha de trigo, trigo e germe de trigo. 

O que é L-Arginina?

A L-Arginina apresenta-se como um pó cristalino branco e quase inodoro. A Arginina é um aminoácido produzido pela hidrólise ou digestão de proteínas. Ela é uma das bases hexonas, e fornece o grupo amidina para a síntese de creatina. A Arginina também é formada pela transferência de um átomo de nitrogênio de aspartato para citrulina no ciclo da uréia. Ela a seguir perde uréia, para formar Ornitina.

A Arginina é usada no tratamento da hiperamonemia e como auxílio-diagnóstico na avaliação da função hipofisária. O nome químico da L-Arginina é ácido L-2-Amino-5- guanidinovalérico. A Arginina é um aminoácido alifático essencial ao crescimento infantil, utilizado como suplemento dietético.

Aplicações da Arginina

– Na hiperamonemia, ajudando na excreção do excesso de nitrogênio;
– Nos casos de necessidade de liberação do hormônio do crescimento;
– Nos casos de imunodepressão, aumentando o número de linfócitos T;
– No combate ao câncer;
– Para o desenvolvimento muscular e redução das gorduras corpóreas;
– Na cicatrização de queimaduras e outros ferimentos;
– Como hepatoprotetor, desintoxicando o organismo;
– Para aumentar a fertilidade masculina;
– Nos casos de artrite e desordens do tecido conectivo;
– Para estimular o pâncreas a liberar insulina;
– Como auxilio diagnóstico na avaliação da função hipofisária;
– Nos casos de impotência.

Propriedades Farmacológicas

Aumento da imunidade
A suplementação de Arginina estimula o timo e provoca a produção de linfócitos nessa glândula. Esses efeitos parecem estar relacionados a seus efeitos na secreção de vários hormônios endócrinos. Um grupo de pesquisadores japoneses relatou recentemente que células imunológicas de seres humanos saudáveis, incubadas com excesso de Arginina in vitro, demonstraram um aumento de três vezes na atividade das células de defesa e aumentos igualmente significantes em outras atividades imunes desejáveis, como um aumento de atividade antitumoral direta. Portanto, a L-Arginina pode beneficiar pacientes de AIDS e tratar doenças que afetam o sistema imunológico.

Combate ao câncer
Existem evidências cada vez maiores de que a Arginina inibe o crescimento de diversos tumores. Em trabalhos com animais, mais de uma dezena de tumores diferentes foram inibidos, em termos de regressão, crescimento mais lento e menor incidência. Existem hoje, 50 anos de evidências acumuladas que atestam o potencial antitumoral da Arginina.

Desenvolvimento de musculos e queima de gordura
Um número cada vez maior de atletas, adeptos da musculação e pessoas em dieta vem usando a Arginina. Esse aminoácido aumenta a secreção do hormônio de crescimento, que na corrente sangüínea ajuda a queimar gorduras e desenvolver a musculatura. A LArginina ajuda a manter um equilíbrio adequado de nitrogênio, funcionando como veículo ao transporte e armazenamento do nitrogênio, favorecendo a excreção de seu excesso.

Cicatrização
Ao estimular a secreção do hormônio do crescimento, a Arginina acelera a cicatrização de ferimentos, e inibe a perda de massa muscular após cirurgias ou ferimentos. Vários estudos com animais documentaram esses efeitos benéficos. Trabalhos preliminares sugerem a aplicação de altas doses de Arginina por via intravenosa, em muitos casos póslesões e pós-cirúrgicos.

Protetor hepático e detoxificante
Demonstrou-se que a suplementação de Arginina previne os efeitos tóxicos e normalmente mortais da administração de amônia a ratos. Seres humanos que sofriam de algumas formas sérias de doenças hepáticas também foram tratados com Arginina, com excelentes resultado

Aumento da fertilidade masculina
A importância da Arginina na produção normal de esperma está bem definida. Diversos estudos demonstraram a relação entre a baixa contagem de esperma e dietas deficientes em Arginina. Em um estudo, homens que apresentavam baixa contagem de esperma responderam favoravelmente à suplementação de Arginina. Mais de 80% deles apresentaram melhora significante quando tomaram 4 g/dia de Arginina via oral.

Tratamento da impotência
Trabalhos recentes mostram que a Arginina é um aminoácido importante para a produção de óxido nítrico endógeno, que é fundamental para que haja ereção e sua manutenção; além de ser um regulador de tônus vascular (vasodilatador).

A Tadalafila + arginina gera uma ereção “firme” e duradoura além de promover o efeito PUMP ( vasodilatação intensa por +- 36 horas, depende de cada organismo)

Tratamento de hiperamonemia associada a defeitos congênitos no ciclo da uréia
Exemplos de problemas causados pelo defeito congênito: deficiência de carbamoil-fosfatosintetase, deficiência de ornitina-carbamoil transferase, deficiência de arginosuccinatosintetase, e deficiência de arginisuccinato liase. A Arginina restabelece os níveis completos de Ornitina e melhora o controle das concentrações de amônia no plasma.

Tratamento da artrite e desordens do tecido conjuntivo
Como é um componente do colágeno, e ajuda na construção de novas células dos ossos e tendões, a L-Arginina pode apresentar resultados benéficos no tratamento da artrite e de desordens do tecido conjuntivo. 

Recomendação de uso:

As doses utilizadas variam em geral entre 100 a 1000mg. Outras referências citam doses de 500mg e 6g ao dia, sendo a ultima dosagem aplicada 3g duas vezes ao dia. Dose usual de 100 a 400mg/dia.

A dose preconizada para a liberação do hormônio de crescimento é de 1.200 mg/dia associados a 1.200 mg/dia de Lisina. Esta associação é fundamental para a liberação do hormônio de crescimento (GH). A dosagem de Arginina poderá chegar até 1,5 g para esta aplicação.

Precauções
A Arginina deve ser tomada de estômago vazio e ao deitar.

Toxicidade e Efeitos adversos
Em altas doses, a Arginina pode causar doenças ósseas e de pele. Na superdosagem, podem ocorrer náuseas e diarréia aquosa. Doses muito altas de Arginina podem agravar distúrbios mentais em esquizofrênicos.

Contra indicações
A suplementação de Arginina não é recomendada para jovens, cujo desenvolvimento ósseo ainda está incompleto. O uso prolongado de doses altas pode oferecer riscos para portadores de algumas formas de insuficiência renal ou hepática. Essas pessoas só devem usar Arginina com supervisão médica. Pessoas com infecções virais como herpes não devem tomar suplementos de Arginina, que poderia estimular a multiplicação de certos vírus. Mulheres grávidas e em fase de amamentação também devem evitar suplementos de Arginina. Pessoas com esquizofrenia devem evitar o uso de mais de 30 mg/dia. O uso de prolongado é contra-indicado, principalmente em altas doses.

 

 

 

Para mais conteúdo sobre nutrição, saúde, atividade física e suplementação, não deixe de acompanhar as atualizações do nosso blog, que acontecem toda semana. Salve o Blog da Físico Farma. Quer participar de uma comunidade incrível que adora saúde e não para de crescer? Siga já a página da Físico Farma no Instagram! Por lá a gente posta tudo de novo que acontece na loja e te deixa atualizado/a das novidades e promoções.

Nos vemos por lá!

Everton F. D. Col

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

De volta ao topo